Clipping

21.nov.2016

Valor Econômico: Matopiba está perto do limite, diz estudo

Em entrevista para o jornal Valor Econômico, Arnaldo Carneiro Filho, diretor de Gestão Territorial Inteligente da Agroicone, falou sobre os limites da expansão agrícola no Matopiba (região de confluência dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e o oeste da Bahia).

A Agroicone fez uma estudo das principais conclusões da “Análise Geoespacial da Dinâmica das Culturas Anuais do Bioma Cerrado – 2000 a 2014”, realizada pelos pesquisadores Bernardo Rudorff e Joel Risso, da Agrosatélite, publicada em dezembro de 2015. Uma das principais sinalizações da análise dos pesquisadores é mostrar a oportunidade para o agronegócio expandir a produção de soja para áreas que já foram ocupadas por pastagens, sem a necessidade de novos desmatamentos. Para esse estudo, a Agroicone identificou a aptidão agrícola nas pastagens, a partir do cruzamento de dados, para sinalizar os caminhos para a ocupação do Cerrado. O estudo indica ainda as áreas de Cerrado com vegetação nativa onde não há aptidão para o plantio, mas que podem muito bem servir para a compensação florestal ou para a conservação em áreas privadas para o cumprimento do novo Código Florestal.

Para acessar a análise da Agrosatélite, visite o site: http://biomas.agrosatelite.com.br/

O estudo da Agroicone estará disponível no site do INPUT a partir do dia 9 de dezembro.

Matopiba está perto do limite, diz estudo

Conforme a consultoria Agroicone, área com alta aptidão a plantio nessa região do Cerrado está restrita a 2,8 milhões de hectares

Por Bettina Barros
Valor Econômico

00383cb39b7c0f9748a3fc6244f32675e2f07337699492983apimgpsh_fullsize_distr

Foco de boa parte dos investimentos realizados para alavancar a produção de grãos no país, o Matopiba está próximo do limite de sua capacidade de expansão. A região, que atraiu nos últimos anos centenas de produtores rurais em busca de terras baratas, tem hoje um estoque de área com aptidão para soja bastante restrito: menos de três milhões de hectares.

A constatação faz parte de um mapeamento inédito com o objetivo de identificar as áreas mais aptas para a produção agrícola no Cerrado. O bioma tornou-se a “nova fronteira” agrícola brasileira depois da exaustão de regiões rurais consolidadas no Sul e Sudeste e das limitações ambientais para o plantio na Amazônia.

Realizado pela consultoria Agroicone, o estudo faz uma recomendação surpreendente: os produtores devem evitar o Matopiba (confluência de Maranhão, Tocantins, Piauí e o Oeste da Bahia) e priorizar investimentos nas áreas de Cerrado localizadas em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais e até em São Paulo.

“A compra de terras baratas em Matopiba foi um raciocínio equivocado do ruralismo de fronteira, baseado no ganho patrimonial. Mas não tem tanta terra com aptidão para soja. E a crise climática será pior ali que em Goiás, por exemplo”, diz Arnaldo Carneiro Filho, diretor de Gestão Territorial Inteligente da Agroicone e um dos autores de “A expansão da soja no Cerrado”.

Segundo os pesquisadores, há hoje no Cerrado ao menos 25,4 milhões de hectares – território do tamanho do Paraná – de terras já antropizadas (alteradas pelo homem) e com alta aptidão para a agricultura. A extensão mostra que é possível plantar sem desmatar áreas nativas remanescentes, como defendem ambientalistas, governo e já parte do agronegócio.

Mas a maior parte dessa área de alta aptidão, ou 22,5 milhões de hectares, está fora das delimitações geográficas do Matopiba. São pastagens espalhadas pelo Brasil central. No Matopiba restam só 2,8 milhões de hectares de pastos com as condições ideais similares para o plantio de grãos, levando-se em consideração declividade e altitude de terrenos.

Olhando por outro lado, há no Matopiba o dobro (6,4 milhões de hectares) de pastagens com baixa aptidão à soja, um risco potencial de investimento para desavisados.

A análise da Agrosatélite levantou dados georreferenciados sobre o bioma, permitindo entender a dinâmica da ocupação e o uso do solo entre 2000 e 2014, período de grande avanço da soja na região.

Nesses 14 anos, o plantio de soja no Cerrado cresceu 87%, quase 70% em áreas já ocupadas com outras culturas e pastagem. No Matopiba a soja se espraiou sobretudo sobre a vegetação nativa: 780 mil hectares (68% da área semeada) entre 2000 e 2007 e 1,3 milhão de hectares (62%) no período seguinte.

Se contabilizadas as áreas de alta aptidão com vegetação nativa, o Matopiba ganharia 4,2 milhões de hectares de capacidade de expansão de grãos, contra 8,3 milhões de hectares no restante do Cerrado. “Mas não é preciso desmatar. Há pasto suficiente, com aptidão, para converter a grão”, diz Carneiro.

A delimitação da expansão da soja no Matopiba segundo a aptidão das áreas é um vetor novo que embaralha o cenário preocupante de quem se posicionou na região.

Os problemas climáticos registrados nas últimas três safras – intensificados em 2015/16 pelo El Niño – levantaram dúvidas sobre a viabilidade de plantar grãos nessa região do país, responsável por quase 10% da produção nacional. Muitos que compraram terras em Matopiba viram o chão trincar sob o calor nesses anos e a renda evaporar, elevando as dificuldades financeiras de produtores em grande parte já descapitalizados.

Segundo Glauber Silveira, presidente da Aprosoja, associação que reúne produtores, as restrições existem na “nova fronteira”. Ele diz que as melhores terras foram compradas por quem chegou primeiro e que a “mudança de mãos” de propriedades com menor rentabilidade deve se intensificar agora.

“Houve uma corrida para Matopiba, mas os [produtores] ‘top’ não foram para lá. Por que você acha que um Eraí Maggi não está em Matopiba?”, questiona. “Muitos foram porque era barato e quebraram a cara. Tem pastagem, mas é caatinga (sic). E a cada cinco safras, três quebram. A saída é evoluir em tecnologia e na produtividade”.

Nos últimos anos, o grande afluxo de aportes permitiu o avanço para áreas marginais no Matopiba, elevando a frustração gerada com terrenos pouco aptos ou custosos para render boas produtividades. Nesse contexto, empresas como Vanguarda e SLC passaram a olhar com atenção para regiões consolidadas, como Mato Grosso, em detrimento do Matopiba.

 

Clipping