Notícias

06.dez.2016

Estudo apresenta monitoramento das metas de produção do Programa PCI (MT)

Para apoiar o Governo do Estado do Mato Grosso no cumprimento do Programa PCI, a Agroicone solicitou o estudo “Bases para monitoramento das metas de produção do PCI – MT” ao Imea.

Para apoiar o Governo do Estado do Mato Grosso no cumprimento dos compromissos estabelecidos para o Programa PCI (Produzir, Conservar e Incluir), a Agroicone, por meio do projeto INPUT, solicitou o estudo “Bases para monitoramento das metas de produção do PCI – MT” ao Instituto Mato Grossense de Economia Aplicada (Imea). O estudo demonstra o histórico das cadeias produtivas levantado pelo Instituto no Estado, traçando uma base comparativa com as metas de produção no PCI para, assim, monitorá-las.

Com os dados dos últimos 15 anos, o estudo mostra que Mato Grosso teve grandes evoluções nos principais indicadores agrícolas e pecuários em função da adequação e emprego de novas tecnologias de produção, o que tornou o Estado o maior produtor e exportador agropecuário do Brasil. Mesmo que as metas estabelecidas para 2030 pelo Programa PCI sejam menos ambiciosas do que o progresso observado nesse período, ainda assim, as metas são arrojadas e difíceis de serem alcançadas, pois a incorporação de novas tecnologias onera cada vez mais os custos de produção.

Disponível em inglês e português, o estudo completo pode acessado neste link: http://www.inputbrasil.org/publicacoes/bases-para-monitoramento-das-metas-de-producao-do-pci-mato-grosso/

A Agroicone está elaborando análises econômicas sobre a intensificação sustentável da pecuária no Estado do Mato Grosso e estudos sobre adequação ambiental ao Código Florestal. O trabalho é uma das ações da Agroicone no projeto INPUT (Iniciativa Para o Uso da Terra), promovendo análises econômicas, estimando custos, investimentos e necessidades de crédito para a intensificação da pecuária no Brasil.

A Estratégia PCI tem o objetivo de expandir e aumentar a eficiência da produção agropecuária e florestal, apoiar a conservação dos remanescentes de vegetação nativa e a recomposição dos passivos ambientais, e promover a inclusão socioeconômica da agricultura familiar e das populações tradicionais.