Regiões

Área

521.204 km2

Municípios

51

População

1,4 milhões

Urbana

71,4%

Rural

28,6%

PIB

R$ 32,5 bilhões

PIB per capta

R$ 16,3 mil/habitante

Valor adicionado da agricultura

R$10 bilhões

Atividades agropecuárias

  • Por receita
  • Por área

A Bacia do Tapajós passa por grandes transformações. Grandes projetos de infraestrutura, como estradas, portos e 42 usinas hidrelétricas têm remodelado as economias locais. Porém, também têm levantado sérias questões referentes à conservação desta parte da floresta amazônica.

O desenvolvimento pode trazer benefícios para a região. As estradas e portos têm o potencial de reduzir custos associados ao escoamento da produção da região Centro-Oeste do Brasil. Isso pode gerar impactos positivos para as cadeias de produção da soja e da carne bovina. Além disso, as novas usinas podem auxiliar o país a atender sua crescente demanda por energia elétrica a um custo relativamente mais baixo e com menos emissões de carbono. Entretanto, há controvérsias associadas a esses projetos, considerando o histórico do Brasil em relação a políticas de infraestrutura.

Tapajós também vem sendo pressionada pela expansão da fronteira agrícola. Estima-se que as indústrias do gado, da soja e da exploração madeireira continuem a crescer com o avanço das obras. A criação de gado na bacia representa, hoje, 5% do rebanho nacional e está se ampliando, tanto em quantidade quanto em extensão de sua área e participação relativa do setor. A produção de soja também se expande rapidamente: nos últimos 10 anos, a porção de terra dedicada ao grão aumentou em 61%. Atualmente, a colheita de Tapajós constitui 15% da produção de soja do país. Além disso, a produção de madeira na região registrou um aumento de 60% entre 2002 e 2012, o que aumenta a pressão na região.

Em um esforço paralelo a essa política desenvolvimentista, áreas protegidas e territórios indígenas compõem quase 40% da bacia. A criação de muitos desses territórios fizeram parte de uma estratégia para conter o avanço do desmatamento na Amazônia. Além disso, as propriedades privadas dessa área do bioma estão sujeitas a regulamentação ambiental mais rigorosa.

O desenvolvimento, porém, não é novidade na região. Sucessivos ciclos de exploração ocorrem desde o século XVII, variando desde a extração de especiarias até os ciclos da borracha e do ouro, que precedeu outras formas de mineração. No entanto, o que mais provocou o aumento da migração para a bacia foi a criação das rodovias federais, na década de 1960. Políticas agrárias instituídas após a construção das rodovias criaram vários assentamentos ao longo das estradas. Hoje, há mais de 140 mil pequenos agricultores na região, sendo que a maioria é de baixa renda. É provável que este segmento vulnerável da população brasileira seja o mais afetado – positiva e negativamente – pelas mudanças que acompanham os projetos previstos.

Direitos de propriedade também já se tornaram questão importante na Bacia do Tapajós: 33% das propriedades não estão ocupadas ou são devidamente tituladas. A documentação irregular tem dificultado a aplicação da legislação ambiental e são uma barreira para a implementação do novo Código Florestal. Tanto os produtores quanto a região em si poderão perder oportunidades consideráveis para o avanço da produção e da proteção, pois é mais difícil para os assentados sem titulação se estabelecerem nas novas cadeias de valor globais. Apesar da introdução de algumas políticas voltadas à solução desse problema, grandes desafios permanecem.

Biomas da Bacia do Tapajós

A Bacia do Tapajós, incluindo as bacias dos seus afluentes, abrange dois estados e dois biomas. A parte contida na Amazônia, incluindo toda a área da bacia no Pará e até aproximadamente metade do Mato Grosso, é essencialmente composta por floresta tropical densa de alta precipitação e solo infértil, contendo biodiversidade abundante. O Cerrado que faz fronteira com esta parte da Amazônia é tido como a savana de maior biodiversidade e mais endêmica do mundo. Em conjunto, as regiões contêm mais de 1.000 espécies de árvores e 1.727 espécies animais. No entanto, grandes projetos de infraestrutura são esperados para a bacia na próxima década, o que poderia comprometer este patrimônio natural. Até 2013, 19% da área da bacia havia sido desmatada, a maioria (76%) dela no Mato Grosso. Só na última década, uma área equivalente ao tamanho do Nepal foi desflorestada. Se esses planos forem adiante, é especulado que o desmatamento indireto na região chegue a 11 mil km².

Projetos relacionados

Vegetação secundária na Amazônia

Climate Policy Initiative

Impactos locais gerados por usinas hidrelétricas

Climate Policy Initiative

Crédito Rural no Brasil

Climate Policy Initiative

Infraestrutura de transportes e produtividade agrícola

Climate Policy Initiative

Código Florestal: Desafios para a regularização ambiental

Climate Policy Initiative

Moldando as políticas de combate ao desmatamento na Amazônia

Climate Policy Initiative

Oportunidades florestais nas cadeias do agronegócio

Agroicone

Modelos climáticos e hidrológicos e restauração florestal

Agroicone

Radiografia de pastagens degradadas

Agroicone

Mapeamento de uso e cobertura do solo

Agroicone

Cenários de otimização da adequação ambiental

Agroicone

Instrumentos para implantação do Cadastro Ambiental Rural

Agroicone

Florestas energéticas na geração de bioenergia

Agroicone

Sistema de análise multitemporal da vegetação – SATVeg

Agroicone

Instrumentos de planejamento das paisagens agrícolas sustentáveis

Agroicone

Código Florestal, carbono e mitigação de gases do efeito estufa

Agroicone

Uso da madeira na geração de eletricidade no Brasil

Agroicone

Análise de compensação de Reserva Legal e Cota de Reserva Ambiental

Agroicone

Terras protegidas e a dinâmica do desmatamento na Amazônia

Climate Policy Initiative

Eletrificação, produtividade agrícola e desmatamento no Brasil

Climate Policy Initiative

Código Florestal em Números

Agroicone

Publicações relacionadas

Notícias relacionadas

maio.2017

Guia apresenta plantas importantes para a regeneração natural do Cerrado e da Mata Atlântica

Publicação apresenta 102 espécies nativas que são típicas dos biomas. Técnica da regeneração natural para restauração de paisagens deverá ser amplamente adotada para cumprimento do Código Florestal

maio.2017

Artigo sobre hidrelétricas na Amazônia será apresentado em conferência internacional

Dimitri Szerman representará o CPI em sessão patrocinada da Association of Environmental and Resources Economists

abr.2017

Analista do CPI discute conversão de multas ambientais e legislação comparada na SRB

Joana Chiavari apresentará dois trabalhos ao Comitê de Sustentabilidade

abr.2017

Falta de regulamentação impede que conversão de multas em serviços ambientais seja adotada no Brasil

Em nova publicação, analistas do CPI propõem ajustes na legislação para que mecanismo possa ser utilizado

dez.2016

Intensificação da pecuária é fundamental para a expansão da agropecuária

Publicação da Agroicone sinaliza que a intensificação da atividade é economicamente viável e contribui para redução do desmatamento e implementação do Código Florestal

ago.2016

Analistas do CPI assinam capítulo de livro sobre o Código Florestal

Publicação, lançada pelo Ipea, visa debater desafios e oportunidades da nova lei florestal no contexto da conservação e produção agrícola

jul.2016

Agroicone lança guia sobre PRAs

Publicação busca orientar produtores rurais e governos para impulsionar o processo de regulamentação dos Programas de Regularização Ambiental (PRAs) nos estados brasileiros

jul.2016

Novo estudo: Climate Policy Initiative analisa ineficiências na infraestrutura de transporte no Brasil

Documento sugere melhorias no setor de rodovias, ferrovias e portos para aumentar a produtividade agrícola no país

mar.2016

Climate Policy Initiative analisa resolução sobre PRA de São Paulo

A resolução conjunta traz avanços procedimentais, mas algumas questões não foram plenamente resolvidas e podem gerar insegurança jurídica

nov.2015

Climate Policy Initiative lança estudo sobre o Código Florestal brasileiro

O documento vai analisar as complexidades do código, com o objetivo de acelerar sua implementação e promover o uso eficiente da terra

nov.2015

Climate Policy Initiative e Agroicone lançam novo website, INPUT

O Climate Policy Initiative e a Agroicone lançam hoje o novo website do INPUT – Iniciativa para o Uso da Terra (www.inputbrasil.org)