Regiões

Área

357.660 km2

Municípios

79

População

2,4 milhões

Urbana

85,6%

Rural

14,4%

PIB

R$ 54,5 bilhões

PIB per capta

R$ 17,8 mil/habitante

Valor adicionado da agricultura

R$ 7,7 bilhões

Atividades agropecuárias

  • Por receita
  • Por área

No Mato Grosso do Sul, a transição expressiva da pecuária para a agricultura pode oferecer lições valiosas sobre a dinâmica de usar a terra com mais eficiência. Setenta por cento das terras rurais da região ainda são usadas para pastagens, que são, em grande maioria, improdutivas. A aceleração do processo de conversão destas terras para atividades altamente produtivas pode ajudar a prevenir o desmatamento no Cerrado e na Mata Atlântica e aumentar a chance de cumprimento do Código Florestal.

Há tempos, a pecuária é a única atividade econômica do Mato Grosso do Sul. Devido às pastagens naturais da região e à alta demanda por parte de seus estados vizinhos, 80% da sua área rural era ocupada pela pecuária até cerca de 1970. O estado começou a promover ativamente o desenvolvimento na área ocupada pelo Cerrado nas décadas de 1960 e 1970, por meio de políticas que apoiavam pesquisas sobre variedades de mudas adaptadas ao solo da região, aumento da infraestrutura local e estímulo às linhas direcionadas de crédito. A partir desse ponto, o cultivo da lavoura começou a se tornar mais relevante no estado, a começar pela soja, que se beneficiou com as novas tecnologias para sementes. Mais recentemente, a produção da cana-de-açúcar atravessou a fronteira de São Paulo até o Mato Grosso do Sul, na procura por terras mais baratas. A produção e a área de cultivo da cana quadruplicaram desde 2003 no estado, que contou ainda com a participação cada vez maior de irrigação, mecanização e migração da mão de obra.

Embora o Pantanal esteja relativamente bem conservado, em parte devido a esforços ativos de preservação, a pecuária extensiva praticada na região deixou marcas na paisagem do estado. Menos de 25% da vegetação nativa do Cerrado e apenas 10% da Mata Atlântica original do Mato Grosso do Sul permanecem. A aplicação eficaz do novo Código Florestal oferece uma chance para o aumento da conservação na região, porque a lei exige a proteção de terras privadas. Noventa e cinco por cento da área rural do Mato Grosso do Sul pertencem a propriedades de médio e grande porte. À medida que esses produtores se tornarem mais integrados com as cadeias de abastecimento que exigem o cumprimento do Código Florestal, seus incentivos para proteção dos seus recursos naturais e cumprimento da lei aumentarão.

Biomas do Mato Grosso do Sul

O estado de Mato Grosso do Sul é composto por três biomas diferentes. A maior parte de sua área é coberta pelo Cerrado, um tipo de savana tropical caracterizada pela sua biodiversidade e estações climáticas bem definidas, solo arenoso e vegetação baixa e arbustiva. Também é considerado um dos biomas menos protegidos do Brasil. Só nesse estado, o Cerrado perdeu ao menos 76% da sua vegetação original. O Pantanal, por sua vez, é considerado o mais protegido dos biomas no Mato Grosso do Sul, com 86% da sua vegetação original inalterada. Essa região compreende a maior zona úmida tropical do mundo, com áreas que abrigam uma grande variedade de espécies vegetais e animais aquáticos. O terceiro bioma é o da Mata Atlântica, que abrange aproximadamente 18% da área do estado. Mato Grosso do Sul é considerado o estado com menos degradação desse bioma desde 2008 (menos de 3% da sua área no estado), mas apenas 11% da sua cobertura original permanecem.

Projetos relacionados

Impactos locais gerados por usinas hidrelétricas

Climate Policy Initiative

Crédito Rural no Brasil

Climate Policy Initiative

Impactos da expansão da cana-de-açúcar no Brasil

Climate Policy Initiative

Infraestrutura de transportes e produtividade agrícola

Climate Policy Initiative

Código Florestal: Desafios para a regularização ambiental

Climate Policy Initiative

Oportunidades florestais nas cadeias do agronegócio

Agroicone

Modelos climáticos e hidrológicos e restauração florestal

Agroicone

Radiografia de pastagens degradadas

Agroicone

Mapeamento de uso e cobertura do solo

Agroicone

Cenários de otimização da adequação ambiental

Agroicone

Instrumentos para implantação do Cadastro Ambiental Rural

Agroicone

Florestas energéticas na geração de bioenergia

Agroicone

Sistema de análise multitemporal da vegetação – SATVeg

Agroicone

Instrumentos de planejamento das paisagens agrícolas sustentáveis

Agroicone

Código Florestal, carbono e mitigação de gases do efeito estufa

Agroicone

Uso da madeira na geração de eletricidade no Brasil

Agroicone

Análise de compensação de Reserva Legal e Cota de Reserva Ambiental

Agroicone

Eletrificação, produtividade agrícola e desmatamento no Brasil

Climate Policy Initiative

Código Florestal em Números

Agroicone

Publicações relacionadas

Notícias relacionadas

maio.2017

Guia apresenta plantas importantes para a regeneração natural do Cerrado e da Mata Atlântica

Publicação apresenta 102 espécies nativas que são típicas dos biomas. Técnica da regeneração natural para restauração de paisagens deverá ser amplamente adotada para cumprimento do Código Florestal

abr.2017

Analista do CPI discute conversão de multas ambientais e legislação comparada na SRB

Joana Chiavari apresentará dois trabalhos ao Comitê de Sustentabilidade

abr.2017

Falta de regulamentação impede que conversão de multas em serviços ambientais seja adotada no Brasil

Em nova publicação, analistas do CPI propõem ajustes na legislação para que mecanismo possa ser utilizado

dez.2016

Intensificação da pecuária é fundamental para a expansão da agropecuária

Publicação da Agroicone sinaliza que a intensificação da atividade é economicamente viável e contribui para redução do desmatamento e implementação do Código Florestal

ago.2016

Analistas do CPI assinam capítulo de livro sobre o Código Florestal

Publicação, lançada pelo Ipea, visa debater desafios e oportunidades da nova lei florestal no contexto da conservação e produção agrícola

jul.2016

Expansão de usinas de cana-de-açúcar impulsionou crescimento econômico no Mato Grosso do Sul

Climate Policy Initiative/PUC-Rio mostra ainda que ampliação dessa indústria gerou mudanças positivas no uso da terra e na redução do desmatamento

jul.2016

Agroicone lança guia sobre PRAs

Publicação busca orientar produtores rurais e governos para impulsionar o processo de regulamentação dos Programas de Regularização Ambiental (PRAs) nos estados brasileiros

jul.2016

Novo estudo: Climate Policy Initiative analisa ineficiências na infraestrutura de transporte no Brasil

Documento sugere melhorias no setor de rodovias, ferrovias e portos para aumentar a produtividade agrícola no país

jun.2016

Climate Policy Initiative propõe uso do Crédito Rural para acelerar implementação do Código Florestal

Documento sugere aperfeiçoamento na integração de duas importantes políticas públicas no Brasil

mar.2016

Climate Policy Initiative analisa resolução sobre PRA de São Paulo

A resolução conjunta traz avanços procedimentais, mas algumas questões não foram plenamente resolvidas e podem gerar insegurança jurídica

nov.2015

Climate Policy Initiative lança estudo sobre o Código Florestal brasileiro

O documento vai analisar as complexidades do código, com o objetivo de acelerar sua implementação e promover o uso eficiente da terra

nov.2015

Climate Policy Initiative e Agroicone lançam novo website, INPUT

O Climate Policy Initiative e a Agroicone lançam hoje o novo website do INPUT – Iniciativa para o Uso da Terra (www.inputbrasil.org)